• Assine-Já
  • Minha Conta
  • E-mail
  • Obtendo... Obtendo cidade 00º C Obtendo tempo... 00:0000:00 -- km/h


    O presidente Jair Bolsonaro informou na quinta-feira, 18, durante live semanal no Facebook, que vai suspender a cobrança de tributos federais sobre o óleo diesel. No mesmo dia, a Petrobrás anunciou novos reajustes nas refinarias sobre o óleo diesel, de 15,2%, e sobre a gasolina, de 10,2%. Bolsonaro considerou o aumento, o quarto do ano, "fora da curva" e "excessivo".

    Com mais esse reajuste, que passa a valer nesta sexta-feira, 19, diesel e a gasolina já acumulam alta de 27,5% e 34,8%, respectivamente, em 2021. Segundo analistas do mercado, o aumento deve aparecer nos indicadores de inflação de março.

    Quais impostos sobre o diesel serão zerados?

    Bolsonaro suspendeu a cobrança dos tributos federais que incidem sobre o combustível: PIS, Cofins e Cide.

    Quando a isenção começa a ter efeito e por quanto tempo?

    A suspensão da cobrança dos tributos federais sobre o diesel vale a partir de 1.º de março e vai durar por dois meses. Nesse período, segundo Bolsonaro, o governo estudará medidas para buscar zerar os tributos federais sobre o produto no longo prazo.
    Os preços da gasolina e do gás de cozinha serão afetados pela redução dos impostos?

    A medida anunciada por Bolsonaro não vai atingir a gasolina, mas o gás de cozinha também terá impostos federais zerados. A redução, segundo o presidente, será permanente.
    Quanto deve ficar o preço do diesel sem os impostos federais?

    Levando em conta o preço médio divulgado semanalmente pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a queda de preço para o gás de cozinha seria de R$ 2,3 por botijão de 13 kg e, no caso do diesel, de R$ 0,34 por litro.

    Os tributos federais têm peso de 9% sobre o preço final do diesel, de 15% sobre a gasolina e de apenas 3% sobre o gás de cozinha. O preço dos combustíveis é formado por uma série de componentes. As refinarias impõem um valor para as distribuidoras que, por sua vez, vendem para os postos. Em todas as etapas, incidem o preço de custo e o lucro. Além dos tributos federais, há incidência do ICMS, que é estadual.

    De onde vai sair o dinheiro para cobrir a isenção?

    O governo ainda não informou o impacto da isenção dos tributos federais sobre o diesel nem a medida que compensará a perda de arrecadação com a benesse. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) exige que a compensação seja feita com a elevação de outro tributo ou corte de subsídio.
    Quanto e quantas vezes o preço dos combustíveis subiu este ano?

    O reajuste nos combustíveis anunciado pela Petrobrás na quinta-feira foi o quarto e o maior do ano. A partir desta sexta-feira, o óleo diesel vai ficar 15,2% mais caro e a gasolina, 10,2%. Com isso, o diesel e a gasolina já acumulam alta de 27,5% e 34,8% em 2021, respectivamente.

    Por que a gasolina, o diesel e o gás de cozinha têm subido tanto este ano?

    Os preços da Petrobrás estão alinhados aos do mercado internacional. Ou seja, quando a cotação do petróleo sobe nas principais Bolsas de negociação do mundo, a estatal revisa seus valores também no Brasil. O petróleo é a matéria-prima dos combustíveis e, por isso, costuma ser usado como referência na formação dos preços dos seus derivados, como gasolina e diesel.

    Neste mês, o preço do petróleo ganhou força principalmente por causa do frio nos Estados Unidos, onde o consumo avançou e os estoques baixaram em quase 6 milhões de barris. Além disso, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep, cartel que reúne alguns dos maiores produtores globais) tem indicado cortes de produção, para forçar ainda mais a alta dos preços.

    Qual o efeito para a Petrobrás das declarações de Bolsonaro?

    Para analistas do mercado, as críticas de Bolsonaro ao aumento na gasolina e no óleo diesel vão afetar negativamente não apenas as ações da Petrobrás, mas também o câmbio, e podem inibir até as importações de combustíveis por investidores privados, colocando em risco o abastecimento em março. O presidente reforçou que não pode interferir na política de preços da estatal, mas ressaltou que o novo reajuste, anunciado na quinta-feira, 18, "vai ter consequência". Nesta sexta, as ações ON da petroleira começaram o dia com queda de 4,79%.